Geologia Ambiental

   Elementos de apoio preparados por J. Alveirinho Dias

99 mod. Mar 06    

Casos de Estudo
               
As Torrentes de Lama (mudflows) do Nevado del Ruiz (Colombia) - 13 Nov 1985
         
5
  1. Enquadramento    
           

O Nevado del Ruiz, localizado nos Andes (4,9N, 75,3W), é o vulcão com actividade histórica mais alto e mais setentrional da Colômbia. Situa-se a 150 km de Bogotá, e o cume atinge 5 389 m de altitude.

           

Embora se localize a, apenas, 500 km do equador, está coberto por um manto de gelo e neve cuja área, de acordo com medições efectuadas numa imagem Landsat em 1976, é de 21,3km2. Estima-se que esta capa gelada, com espessura que varia entre 10 e 30 metros, tenha um volume aproximado de 337 milhões de m3.

Trata-se, como os outros vulcões andinos, de um vulcão associado à fronteira convergente de placas, em que existe subducção da placa oceânica de Nazca sob a placa continental sul-americana.

A altitude a que começa a capa de neve localiza-se a 4900m no flanco ocidental, e a 4800m no oriental. A comparação de fotografias recentes com pinturas do século XIX sugerem que as altitudes referidas são, actualmente, mais elevadas em cerca de 150m, o que equivale a uma redução da capa gelada, desde 1845, em cerca de 64%.

 
 
Vista de NE do Nevado del Ruiz em 26 de Novembro de 1985
Foto: N. Banks/USGS (volcanoes.usgs.gov)
 
           

As vertentes do vulcão são, na generalidade, bastante íngremes, nelas estando instalada uma rede de drenagem constituída por vales estreitos e relativamente profundos. A drenagem efectua-se para dois rios principais, o Magdalenae e o Cauca. A drenagem para o rio Cauca, situado a oriente, efectua-se através dos rios Claro, Molinos e Chinchina. Ao rio Magdalena, que se localiza a ocidente do Nevado del Ruiz, afluem os rios Guali, Lagunillas (que tem como afluente o Azufrado) e o Recio.

As duas cidades mais importantes são Armero (altitude: 261m), na margem esquerda do rio Lagunillas, e Mariquita (altitude: 558m), 25km a norte de Armero, na margem direita do rio Guali.

       
 
 
Mapa de localização
     
         

Outras duas cidades importantes são as de Ambalema (altitude: 44m), localizada na confluência do Recio com o Rio Magdalena, e Honda (altitude: 211m), situada no ponto onde o Guali desagua no Magdalena.

A altitude bastante moderada a que se localizam estas cidades (a mais elevada está a 558m), comparada com a do Nevado del Ruiz (5 389m) expressa bem os pendores médios da rede de drenagem nas vertentes do vulcão.

Existem vários outros núcleos urbanos nas vertentes do Nevado del Ruiz mas, não obstante estarem localizadas, em geral, a altitudes mais elevadas (por exemplo: Villahermosa, a 2153m de altitude; Herveo, a 1975m; Murillo, a 2870m), não foram significativamente afectadas pelos fluxos aquosos originários da parte superior do vulcão.

Nas planícies aluviais da região a temperatura média anual é de cerca de 25, e a precipitação anual é aproximadamente 1800mm, estimando-se que, nas zonas a maior altitude a chuva anual atinja valores entre 3000 e 4000mm.

 
 

Imagem satelitária (radar) da região vulcânica de Ruiz-Tolima, na Colombia. A cidade de Manizales corresponde à zona cor de rosa na parte superior direita da imagem. O vulcão Nevado del Ruiz é pico vermelho escuro à direita do centro da imagem, sendo visível a cratera. O vulcão Tolima é o pico destacado na parte inferior esquerda.

A cor avermelhada da imagem é devida à cobertura por neve e gelo e à falta de vegetação a estas altitudes muito elevadas. São bem visíveis os vales que irradiam da montanha do Nevado del Ruiz, embora a cidade de Armero não seja observável pois que se localiza já fora da imagem, à direita.

A imagem foi obtida pelo Spaceborne Imaging Radar-C/X-band Synthetic Aperture Radar (SIR-C/X-SAR) a bordo do vai-e-vem Endeavour em 14 de Abril 1994. Imagem: NASA/JPL-Caltech

         
  2. Actividade Histórica  
         
Estima-se o intervalo de recorrência das erupções do vulcão Nevado del Ruiz seja de 160 a 400 anos. Nos últimos 10000 anos ocorreu, provavelmente, uma dezena de erupções maiores. Porém, a actividade vulcânica é quase permanente, o que se manifesta, entre outras, através de fumarolas.
 
           
A pequena sismicidade associada ao vulcão é, também, relativamente frequente, embora os sismos maiores só ocorram esporadicamente. Dois dos sismos mais significativos verificaram-se em 16 de Junho de 1826 e em 16 de Novembro de 1827, tendo-se gerado, na altura, lahars com cheiro intenso a enxofre (o que sugere ter ocorrido, também, erupção vulcânica), os quais foram observados tanto no rio Magdalena, como no rio Cauca.
           
  • A erupção de 12 de Março de 1595
 
         

De acordo com os registos históricos, no dia 12 de Março de 1595, entre as 8 e as 11 horas da manhã, ocorreu uma erupção do Nevado del Ruiz, em que se verificaram três grandes explosões vulcânicas que se ouviram a mais de 100km de distância. Os tephra então emitidos foram de tal forma abundantes que se fez quase de noite até distâncias de 40 a 50km do cume do vulcão.

Os fluxos de lama que então se geraram, com forte oder a enxofre, percorreram violentamente os rios Guali e Lagunillas, sendo, aparentemente, maior o deste último rio.

Em consequência do que se verificaram grandes destruições e morreram 636 pessoas.

 
 
 
Cratera do Nevado del Ruiz em Novembro de 1985.
Foto: J. Marso (volcanoes.usgs.gov/Hazards)
           
  • A erupção de 9 de Fevereiro de 1845
   
           

A informação histórica existente indica que, na manhã do dia 9 de Fevereiro de 1845 ocorreu um sismo e desenvolveu-se um grande lahar que devastou a vertente oriental da montanha ao percorrer o vale do rio Lagunillas. Esta torrente transportou das altitudes mais elevadas numerosos blocos de gelo, alguns de grandes dimensões, pois que alguns dias mais tarde ainda eram observados a flutuar na água muito lamacenta que descia o rio Magdalena.

A cidade de Ambalema, situada no vale da ribeira de Lagunilla, a 80 km da cratera, foi coberta por este fluxo de lama constituído por gelo fundido e piroclástos, tendo morrido mais de um milhar de pessoas. O lahar continuou a deslocar-se ao longo do vale por mais 70km a jusante da cidade, espraiando-se na planície aluvial inferior do rio e no vele largo do Madgalena.

           
Segundo Acosta, um cientista que na altura e, posteriormente, em 1850, visitou a região, a área do vale mais próxima do rio Lagunillas ficou toda coberta por um manto de lama cujo volume estimou em 300 milhões de m3. Notou, ainda, que 5 anos após o evento os sedimentos estavam já consolidados, tendo um aspecto análogo aos que existem numa faixa com 25km de largura ao longo de 150km do rio Magdalena, e que se dispõem em 8 a 10 camadas sobrepostas, numa espessura total que, nalguns locais, atinge mais de 100m. A grande quantidade de blocos de rocha, muito angulares e de dimensões muito variáveis (entre 10cm3 e 5m3), que cobriam quase inteiramente o solo impressionaram bastante Acosta, que interpretou o facto pela redução volumétrica que se verificou no sedimento lodoso ao secar, em consequência do que os elementos maiores, previamente submersos, acabaram por ficar expostos à superfície.
 
  A parte superior do Nevado del Ruiz está coberto por uma capa de gelo com mais de 21km2, na qual nascem os rios Recio, Lagunillas, Azufrado e Guali. Na parte sumital, a NE, existe a cratera de Arenas, com 1km de diâmetro e 100m de profundidade. (Foto: USGS retirada de www.brookes.ac.uk/geology)
           
Como os depósitos do lahar são muito bons para a agricultura, e perante a pouca abundância de terras férteis na Colômbia, depressa estes terrenos começaram a ser reutilizados. Nasceu assim, 32 km a montante da antiga cidade de Ambalema, uma nova cidade denominada Armero que, em 1985, tinha já 28 700 habitantes.
.. .. .. .. ..  
             
5