Criptografia

Índice

Introdução

Objectivos da Criptografia

O que a Criptografia não protege?

História

Introdução

    A palavra é composta por dois termos gregos kryptos (kryptos secreto, escondido, oculto) e grapho (grapho - escrita grafia).

    A criptografia é uma arte ou ciência de escrever ocultamente talvez tão antiga quanto a própria escrita, hoje em dia é um dos métodos mais eficientes de se transferir informação, sem que haja a possibilidade de interferência por parte de terceiros.

    A Criptografia é o estudo de técnicas matemáticas, relacionadas com os aspectos de segurança e confidencialidade de informação, a integridade de dados, a autenticação de entidades e a autenticidade de origem de dados, ou seja, consiste na conversão de dados num código secreto como medida de segurança para que possam existir comunicações seguras.

    A criptografia lida de um modo muito estreito com termos como - encriptação e desencriptação. A encriptação é a conversão de dados para uma forma que não será compreendida facilmente por pessoas autorizadas com o objectivo de assegurar a privacidade mantendo a informação escondida e ilegível mesmo para quem vê os dados encriptados. A desencriptação é o processo de converter dados encriptados de volta á sua forma original, para que a mensagem possa ser compreendida e para isso acontecer requer alguma informação secreta, usualmente denominada chave de desencriptação. A chave de desencriptação é o algoritmo que desfaz o trabalho do algoritmo de encriptação. Um algoritmo é um programa de computador que pode ser visto como um algoritmo elaborado.

    A criptografia é baseada em chaves, uma informação pode ser codificada através de algum algoritmo de criptografia, de modo que, tendo conhecimento do algoritmo e da chave utilizados, é possível recuperar a informação original fazendo o percurso contrário da encriptação, a desencriptação.

    A criptografia consiste na ciência de codificar mensagens de forma a torna-la ilegível para os outros.



Topo



Objectivos da Criptografia

    O objectivo é esconder informação de forma a permitir que somente o destinatário a descodifique e compreenda. Ou seja, permite transformar textos originais em informação codificada que para terceiros têm acesso ao algoritmo e á chave de encriptação, essa informação não tem qualquer significado, ou seja, é simplesmente lixo.



A                 B

C

    A pessoa A manda uma mensagem codificada para a pessoa B. A pessoa C intercepta a mensagem mas não consegue aceder á informação desta, uma vez que, ao conteúdo consegue aceder mas esse conteúdo apenas representa lixo.

    De entre os objectivos da segurança de informação, os seguintes são os principais:

    O único método que se encontra disponível para oferecer protecção contra estes tipos de factos, tanto durante o armazenamento quanto em trânsito, é a criptografia.

    A Criptoanálise (kriptós = escondido, oculto; análysis = decomposição) é a arte ou ciência de determinar a chave ou decifrar mensagens sem conhecer a chave.

    A Criptologia (kriptós = escondido, oculto; logo = estudo, ciência) é a ciência que reúne a criptografia e a criptoanálise.

    Então, fomos buscar na Criptologia que é a ciência que estuda a maneira mais segura e secreta para a realização das comunicações virtuais, a solução mais imediata. É composta de Criptografia e Criptoanálise que representam a criação de uma senha e a chave para decifrá-la.

    As técnicas de assinatura feitas por meio da Criptografia consistem numa mistura de dados que não se entendem, ou seja, são ilegíveis, onde é necessário o uso de duas chaves: a pública e a privada, para que ele possa se tornar legível. É como se fosse um cofre forte que somente para quem tem o seu segredo é acessível.

    Essa assinatura é formada por uma série de letras, números e símbolos e é feita em duas etapas. Primeiramente o autor, através de um software que contém um algoritmo próprio, realiza uma operação e fez um tipo de resumo dos dados do documento que quer enviar, também chamado de função hash. Após essa operação ele usa a chave privada que vai encriptar este resumo e o resultado desse processo é a assinatura digital.

    Uma assinatura digital é uma mensagem que apenas uma pessoa poderia produzir, e é encriptada com uma chave privada. A assinatura é um conjunto inforjável de dados assegurando ao receptor a identidade do emissor e a integridade da mensagem, ou seja, que o emissor concordou com o que estava escrito. Isto também é uma forma de evitar que uma dada pessoa que assinou a mensagem se livre de responsabilidades, alegando que a mensagem foi enviada por outra pessoa que não ela, ou seja, que a mensagem foi forjada.

    A assinatura consiste em:




Envia

Maria                 João

Ricardo (intercepta a mensagem e muda o seu conteúdo)



Topo



O que a Criptografia não protege?



Topo



História

    A história relata muitos factos sobre a criptografia e sabe-se que esta foi inventada pelos chineses para protegerem os segredos políticos e militares.

    Como a criptografia é muito antiga, esta já estava presente no sistema de escrita hieroglífica dos egípcios. Os romanos utilizavam códigos secretos para comunicar planos de batalha.

    O mais interessante é que a tecnologia da criptografia não mudou muito até meados do século XX. Depois da Segunda Guerra Mundial, com o aparecimento do computador, a área realmente floresceu incorporando complexos algoritmos matemáticos. Durante a guerra, os ingleses ficaram conhecidos pelos seus esforços para descodificação de códigos. Na verdade, esse trabalho criptográfico formou a base para a ciência da computação moderna.



Topo



Exemplo:

Chave : 8

Texto : os alunos não podem ler isso

Texto para encriptar : osalunosnaopodemlerisso

Texto encriptado : oloaomrssusodlioannpees





História







História







História





História





Topo






Cristina Silva